No final de fevereiro foi aberta a chamada no Projeto Debian para os interessados em participar da edição de 2014 do Google Summer of Code. Pra quem não conhece o GSOC, trata-se de um programa do Google, qual existe desde 2005, que consiste basicamente em fornecer bolsas de estudo para alunos interessados em contribuir com projetos de Software Livre, durante os 2-3 meses das férias de verão na América do Norte e Europa, quais ocorrem no meio do ano. Conheço o programa há algum tempo, mas somente neste ano me senti maduro o suficiente para participar.

Dando uma olhada na lista de projetos propostos pelo Debian, encontrei um que particularmente me identifiquei muito, o bootstrap-vz. A ideia do mesmo é proporcionar um conjunto de ferramentas, escritas em Python, para gerar máquinas virtuais do Debian GNU/Linux a partir de uma configuração previamente determinada. Ou seja, você não precisa se dar ao trabalho de criar uma máquina virtual no VirtualBox, instalar o sistema, realizar as configurações e instalação de pacotes necessários, depois gerar uma máquina virtual para ser utilizada com o Vagrant. Basta rodar um comando para que tudo fique pronto magicamente.

Visto que me interesso por virtualização há algum tempo, utilizo o Debian em meu desktop há quase dois anos (em servidores há mais tempo ainda) e passei o ano passado inteiro programando em Python (sendo que tenho contato com a linguagem há muito mais tempo), foi natural a escolha do projeto. Sendo assim, entrei em contato com o Olivier Sallou, desenvolvedor Debian francês, comunicando sobre meu interesse em participar. Ele me respondeu rapidamente, dizendo que a seleção dos estudantes consistiria em desenvolver um plugin para configuração do NTP nas máquinas criadas.

Até aí estava tudo bem, bastava que eu brincasse um pouco com o código, após dar uma lida na documentação sobre desenvolvimento, para descobrir como prosseguir. Foi justamente neste momento que meus problemas começaram: não conseguia criar a máquina virtual do Vagrant de exemplo e o processo demorava de 20 a 30 minutos antes de apresentar qualquer erro. Ciente de que perdendo tanto tempo apenas para começar eu jamais sairia do lugar, decidi deixar isso pra lá. Pensei comigo mesmo que haveriam outros estudantes interessados em participar e o projeto não seria prejudicado.

No penúltimo dia das inscrições, o Olivier me enviou uma mensagem de e-mail dizendo que eu deveria realizar minha inscrição formal caso quisesse realmente participar. Expliquei a ele sobre os problemas quais estava passando (coisa que deveria ter feito semanas antes) e ele me colocou em contato com o Anders Ingemann, dinamarquês criador do bootstrap-vz. Foi somente a partir deste momento que obtive algum progresso e, no dia seguinte, último do prazo estipulado, decidi por realmente realizar minha inscrição.

Fui para a universidade e, por volta das 13h, comecei a redigir minha aplicação na Wiki do Debian, primeira etapa do processo de inscrição. Levei um certo tempo para finalizá-la, terminando por volta das 16h30m, pois não o fiz com muita pressa. Havia pensado comigo mesmo que o prazo seria encerrado por volta da meia-noite UTC, o que me daria até pelo menos as 21h no horário de Brasília. Foi somente quando acessei a página do Google Melange que descobri que o prazo havia se encerrado às 19h UTC, 16h do horário de Brasília.

Como era de se esperar, fiquei triste por ter perdido a chance de participar do processo de seleção para uma bolsa de US$ 5000,00 por causa de meia hora. A situação ainda piorou quando percebi que era o único inscrito no projeto e, consequentemente, não haveria concorrência, bastaria aceitarem minha participação. Desta forma, não pude deixar de contribuir com o projeto mesmo não recebendo compensação financeira por isto. O Anders é uma pessoas mais atenciosas e pacientes que já conheci, respondendo meus e-mails mesmo nas noites de sábado ou manhãs de domingo, independente do quão urgente sejam.

De lá pra cá, realizei diversas contribuições, corrigindo bugs, criando plugins e redigindo a documentação correspondente. Estas foram tantas e com tamanha qualidade (palavras do Anders, não minhas) que, em menos de um mês, fui adicionado como colaborador do projeto, tendo permissão para enviar modificações diretamente, sem a necessidade de abrir pull requests. Hoje minha maior preocupação é zelar pela diminuição de issues abertas no projeto, corrigindo os problemas reportados e auxiliando novos contribuidores.