Há algum tempo o Wordpress vinha me desanimando. Ele não costumava ser exageradamente lento ou pesado, ainda mais com a utilização do nginx + WP Super Cache, mas no mês passado as coisas começaram a mudar. A diminuição de SPAM obtida com a mudança para HTTPS não estava mais sendo notada e estes comentários infelizes estavam simplesmente afogando o Wordpress. Não sei dizer exatamente o porque, mas me parece que o Askimet, que provavelmente é a melhor ferramenta anti-SPAM da atualidade, parou de funcionar. Navegar pelo painel de administração, até mesmo para apagar estes comentários, se tornou completamente inviável.

Estes problemas me fizeram refletir um pouco. SPAM sempre foi uma das coisas que mais me incomodou, seja via e-mail, SMS ou comentários, mas nunca a ponto de me levar a me perguntar se a situação era realmente insustentável. Pensei em desativar os comentários de uma vez, pra ver se assim eu teria um pouco de paz. Poderia não ser apenas culpa do volume de comentários maliciosos, uma vez que a lentidão coincidiu com a atualização do Wordpress para a versão 3.5. Não era um problema de CPU, pois o processamento do servidor não subia nessas situações, mas o PHP chegava a reportar tempo excedido em muitas das operações. Eu simplesmente não tinha mais pra onde correr.

Diante desta situação lamentável em que o Myhro Blog se encontrava, na madrugada de hoje tomei coragem (mesmo tendo de sair pra trabalhar cedo) e migrei todos os posts para o Octopress. Já havia ouvido falar do Octopress há algum tempo e achei a proposta interessantíssima, mas nunca tinha parado para experimentá-lo. Ao invés de se ter uma aplicação dinâmica, onde as páginas são interpretadas e geradas em tempo real no servidor, como o PHP faz no caso do Wordpress, o Octopress gera todas as páginas antes de disponibilizá-las. Desta forma, eu simplesmente escrevo um post no meu computador, deixo ele gerar as páginas, organizar as categorias e o arquivo de postagens, e depois envio para o servidor com um só comando.

Dentre as vantagens quais encontrei ao utilizar o Octopress, posso citar as que mais me agradaram:

  • É muito mais prático digitar os textos no terminal, gerar as páginas e publicá-las com poucos comandos do que logar no painel de controle do Wordpress para fazer isso.
  • A formatação dos textos foi imensamente simplificada. Utilizando Markdown para formatar os posts, o ganho de produtividade é inegável. Antes, uma parte considerável do tempo envolvido na criação de um novo post era tomado pelo editor de textos do Wordpress. Eu tinha de definir o alinhamento do texto, criar os links e adicionar as imagens, além de perder tempo editando o HTML diretamente quando era necessário incluir um trecho de código fonte, por exemplo. Agora faço isso tudo enquanto digito o texto confortavelmente no Vim.
  • Utilizando o Git para gerenciar o conteúdo, eu não apenas tenho um histórico de todas as modificações realizadas no blog, como várias cópias do mesmo, possibilitando sua ressureição em segundos no caso de uma catástrofe. Qualquer, literalmente qualquer servidor web é capaz de hospedar o Octopress, visto que são apenas arquivos em HTML estáticos, com algumas folhas de estilo (CSS), um pouco de JavaScript e imagens. No caso do Wordpress eu teria de configurar o servidor web com suporte a PHP, instalar o MySQL, copiar todos os arquivos a partir de um backup recente, importar o último dump do banco de dados…

Mas é claro que, como tudo na vida, o Octopress também tem suas desvantagens, embora de forma alguma estas ofusquem seu brilho:

  • Não há mais um sistema de comentários. Isso na verdade é também uma vantagem, visto que não mais sofrerei com SPAM, mas uma característica inerente ao ecossistema dos blogs foi perdida. Não foi apenas uma vez que presenciei a situação em que um comentário completava perfeitamente um post. O que também não é o fim do mundo, já você pode entrar em contato comigo por e-mail, Twitter, ou até mesmo através de um post no seu blog (caso você não tenha um, esta seria uma boa oportunidade para começá-lo). Eu poderia sim, utilizar um sistema de terceiros como o Disqus, mas prefiro evitar ferramentas externas, devido à lentidão trazida pelo seu carregamento. Até o Google Analytics está desativado, de forma que absolutamente nenhum byte é carregado de outro lugar que não do servidor onde este blog está hospedado.
  • A importação dos posts não foi perfeita. Utilizei o Exitwp para importar o XML gerado pela ferramenta de exportação do Wordpress, mas ainda assim encontrei algumas imperfeições. Foram poucas e mesmo assim estou fazendo o possível para corrigí-las em sua totalidade. Caso você encontre uma referência a uma imagem inexistente ou um link quebrado, por favor me avise.
  • Por mais parecida que seja a estrutura do Octopress com a do Wordpress, algumas páginas não existem mais. Os posts tem exatamente os mesmos links, as categorias também, mas os posts agrupados por meses (alguém navega através disso?) não existem mais - apenas o arquivo geral com todos. Tomei o maior cuidado para que o impacto da migração fosse o menor possível, mas o blog não ficou exatamente idêntico.

No mais, estou absolutamente deliciado com esta nova forma de cuidar do Myhro Blog. Se você tem um mínimo de afinidade ou apreço pela linha de comandos e gostaria de migrar ou mesmo iniciar um novo blog, eu definitivamente recomendo que você dê uma olhada no Octopress.