Myhro Blog

IPv6

Falar do IPv6 se tornou recorrente nos últimos anos em virtude da iminência do esgotamento dos endereços IPv4 atuais. Embora os quatro octetos e seus 32 bits possibilitem mais de 4 bilhões de combinações, a enorme quantidade de faixas IPv4 reservadas reduzem bastante este número. Alie isto à quantidade sempre crescente de pessoas e dispositivos (pense em quantos aparelhos você possui com acesso à internet) conectados à rede mundial e computadores e chegaremos a um ponto onde simplesmente não haverá IPs disponíveis para todos. Mesmo medidas paliativas como a introdução do NAT e do CIDR não são suficientes para resolver o problema definitivamente.

O IPv6 não é uma tecnologia recente. Sua idealização é datada de quase 20 anos atrás e sua especificação ficou pronta no final de 1995. O interessante nesta história é que mesmo hoje, em pleno ano de 2012, nem todos os aparelhos suportam nativamente o IPv6. No meu caso, por exemplo, tive de trocar o meu routeador por um modelo qual suportasse a versão “normal” do DD-WRT para que pudesse usufruir do IPv6 em sua plenitude. O processo não é muito complicado, basta se registrar e requisitar gratuitamente um túnel IPv6 da Hurricane Electric no servidor de menor latência de acordo com sua conectividade e localização. No painel de controle deles há diversos exemplos de configuração.

Após requisitar seu túnel, você obterá um endereço IPv6 para se conectar ao servidor e uma faixa /64 para distribuir endereços na sua rede interna. Como um endereço IPv6 é composto de 128 bits (8 partes de 16 bits ao invés dos quatro octetos do IPv4), os primeiros 64 bits representam a rede e os demais 64 bits se destinam as máquinas presentes na mesma. Com esta única faixa obtida com a criação do túnel você pode conectar 18.446.744.073.709.551.616 (mais de dezoito quintilhões) de dispositivos, cada um com um endereço IPv6 único e exclusivo. Levando em conta que você ainda pode requisitar uma faixa /48, é possível criar mais 65536 faixas /64 caso você queira segmentar sua rede ou o número anterior seja insuficiente. Tudo isso com um único túnel, sendo que você pode criar até cinco túneis diferentes.

Embora a conectividade da Hurricane Electric seja de primeira qualidade, com múltiplos links de 10 Gbps, nem tudo são flores. Como até o momento em que escrevo há servidores apenas na América do Norte, Europa e Ásia, a conexão pode ficar mais lenta, principalmente no quesito latência. Isso não chega a ser um empecilho tão grande, uma vez que a maioria dos sites e serviços que acessamos diariamente não estão hospedados no Brasil. Mas quando se acessa um site brasileiro que tenha IPv6 habilitado, que são poucos mas existem, a diferença pode ser perceptível. Veja a diferença do ping IPv4 e IPv6 a partir da minha conexão até o IPv6.br:

C:\Users\Myhro>ping -4 www.ipv6.br

Disparando www.ipv6.br [200.160.4.22] com 32 bytes de dados:
Resposta de 200.160.4.22: bytes=32 tempo=35ms TTL=47
Resposta de 200.160.4.22: bytes=32 tempo=43ms TTL=47
Resposta de 200.160.4.22: bytes=32 tempo=47ms TTL=47
Resposta de 200.160.4.22: bytes=32 tempo=47ms TTL=47

Estatísticas do Ping para 200.160.4.22:
    Pacotes: Enviados = 4, Recebidos = 4, Perdidos = 0 (0% de
             perda),
Aproximar um número redondo de vezes em milissegundos:
    Mínimo = 35ms, Máximo = 47ms, Média = 43ms

C:\Users\Myhro>ping -6 www.ipv6.br

Disparando www.ipv6.br [2001:12ff:0:4::22] com 32 bytes de dados:
Resposta de 2001:12ff:0:4::22: tempo=312ms
Resposta de 2001:12ff:0:4::22: tempo=307ms
Resposta de 2001:12ff:0:4::22: tempo=305ms
Resposta de 2001:12ff:0:4::22: tempo=313ms

Estatísticas do Ping para 2001:12ff:0:4::22:
    Pacotes: Enviados = 4, Recebidos = 4, Perdidos = 0 (0% de
             perda),
Aproximar um número redondo de vezes em milissegundos:
    Mínimo = 305ms, Máximo = 313ms, Média = 309ms

Mais de sete vezes mais lento. Isto acontece pois ao invés da conexão ocorrer internamente passando apenas por rotas brasileiras até o servidor do IPv6.br, os pacotes tem de ir até os EUA (em Ashburn, Virginia, onde o túnel foi criado no meu caso) e voltar ao Brasil, o que é pior do que se eu estivesse simplesmente acessando um servidor norte-americano. O SixXS, outro provedor que fornece túneis IPv6 gratuitamente, tem como parceiro a CTBC, que disponibiliza um PoP em Uberlândia. Isto é ótimo para quem, assim como eu, mora em Minas Gerais. O problema é que o cadastro deles não é tão simplificado quanto o da Hurricane Electric, onde além de perguntarem até a cor da sua cueca, podem demorar semanas (literalmente) até disponibilizarem manualmente seu túnel IPv6.