Passei algum tempo utilizando o phpMyAdmin para administração de bancos de dados MySQL. Não enfrentei nenhum problema com o mesmo (muito pelo contrário), mas sentia que ele era um tanto quanto “pesado” para uma tarefa que em teoria não deveria consumir tantos recursos do sistema. Por mais que hoje tenhamos grandes quantidades de memória e ciclos de processamento disponíveis, isto não significa que nossa obrigação é fazer de tudo para desperdiçá-los (embora muitas pessoas - principalmente “programadores” - se esqueçam disto). É perceptível o tempo gasto pelo phpMyAdmin para ser aberto pela primeira vez (quando ainda não está cacheado), mesmo se utilizado localmente (em conjunto com o WampServer, por exemplo), por conta das suas centenas (literalmente) de arquivos.

Em uma conversa corriqueira com o companheiro (termo adotado em virtude da nossa relação política) Flaudisio, o perguntei qual sistema ele utilizava para gerenciar bancos de dados PostgreSQL. Dentre as alternativas citadas, uma me chamou a atenção por alguns detalhes peculiares. O Adminer é um gerenciador de bancos de dados compatível com MySQL, PostgreSQL, SQL Lite, Microsoft SQL Server e Oracle. O mais impressionante é que seu código é constituído de apenas um arquivo com pouco mais de 200KB (na versão em inglês, já que o suporte multilíngue deixa o arquivo com algo em torno de 350KB).

É normal que se torça o nariz quando aparece um software que promete fazer muito consumindo muito pouco. Por conta disto, no site do Adminer há uma versão demo disponível para que você possa testá-lo (na versão “MySQL-only”, mais enxuta que a versão “normal”). Vale ressaltar que não é possível testar todas as suas funções, afinal é apenas uma demonstração, mas é uma oportunidade de experimentá-lo sem ter o trabalho de “instalá-lo” (o que consiste em copiar um arquivo para o seu servidor web). O tema padrão é bem básico e pode ser mudado a partir dos skins disponíveis (que nada mais são do que um arquivo “.css”), embora isto não altere em nada sua funcionalidade. Ainda é possível adicionar plugins de forma bem simples.

Tenho utilizado o Adminer há algumas semanas e só tenho uma ressalva a fazer: quando alguma entrada do banco de dados é uma URL, ele adiciona um redirecionador (no formato “http://www.adminer.org/redirect/?url=”) no link. A justificativa do desenvolvedor é que esta abordagem esconde o referer, de forma a evitar que o site alvo descubra a URL exata onde o Adminer está instalado no seu servidor. O jeito mais fácil de evitar isto é simplesmente copiar o link exibido (ao invés do qual este aponta). De qualquer forma, serve como lembrete para você proteger o Adminer com algo além da própria senha do banco de dados.